terça-feira, 30 de março de 2010

E O GLORIOSO VENCEU DE 4X1, EM HOMENAGEM A ARMANDO NOGUEIRA



O Botafogo e eu…

Por Armando Nogueira

Amar um clube é muito mais que amar uma mulher. E eu sigo à risca o conselho do mestre. Ao longo da vida, já me casei, troquei de namoradas, sei lá, dezenas de vezes. Outras tantas fui trocado por elas, mas a recíproca não está em jogo, agora. Jamais trocaria o Botafogo, nem por outro clube, nem por nada, neste mundo.

Guardo até hoje, íntegro, o sentimento do primeiro encontro. Foi na cozinha da casa da minha mãe, enquanto a própria passava roupa, na noite de 21 de junho de 1989. Tinha eu apenas dez anos, e não estava muito interessado com aquele time, do goleiro Ricardo Cruz ao atacante Maurício, todos eles jogadores medianos, mas todos traziam no peito uma estrela de cinco pontas, radiosa como a luz daquela noite iluminada.

O jogo era, pra se esperar, Botafogo e Flamengo. Decisão do carioca daquele ano.

Naquela época, até então, o Botafogo ainda não tinha me enfeitiçado, apesar de eu já ter desfilado anteriormente com o manto alvinegro por “ordem” do meu pai. Eu tinha tudo pra não ser botafoguense: meu pai tinha recém separado da minha mãe, o botafogo vinha de mais de duas décadas em sua história sem a conquista de um único título, e os times do momento Corinthians, São Paulo, e o próprio Flamengo, encantavam o país.

A partida teve inicio e eu da cozinha sentia que aquela noite entraria definitivamente em minha história. O Maracanã estava lotado com mais da metade do público presente trajando rubronegro. Comecei a ver o jogo como mero espectador, mas o destino resolveu me dar a cartada final em meu coração, pois aos 21 minutos do segundo tempo me veio a revelação com o gol de Maurício. Meu coração transbordou, meus olhos encheram-se de lágrimas, e eu, enfim, me apaixonei.

Hoje, quase vinte anos depois, eu me pergunto, por mera curiosidade, por que será que não escolhi torcer pro Flamengo? Afinal o Flamengo era o time mais querido do Brasil. Dava ibope torcer pro Flamengo. Tinha uma constelação de craques, de Zico a Junior o time era um assombro. Era certeza de alegria pela frente. Eu, no entanto, resolvi trocar o certo pelo duvidoso. Afinidades eletivas, meus amigos. Premonição, talvez. Enfim, coisas do coração, pois no final do jogo era o Botafogo que dava a volta olímpica no Maraca, campeão invicto.

Ali nascia minha grande paixão, apesar de que o Botafogo nem sequer sabia da minha reles existência. Não sabia, nem precisava saber. O futebol é assim: desperta na pessoa um sentimento virtuoso que transcende a amizade, que vai além do amor e culmina no santo desvario da paixão. Tem de tudo um pouco, porém, é mais que tudo. Torcer por uma camisa é plena entrega. É mais que ser mãe, porque não desdobra fibra por fibra o coração. Destroça-o de uma vez no desespero de uma derrota. Em compensação, remoça-o no delírio de uma vitória.

O Botafogo tem tudo a ver comigo: por fora, é claro-escuro, por dentro, é resplendor; o Botafogo é supersticioso, eu também sou. O Botafogo é bem mais que um clube - é uma predestinação celestial. Seu símbolo é uma entidade divina. Feliz da criatura que tem por guia e emblema uma estrela. Por isso é que o Botafogo está sempre no caminho certo. O caminho da luz. Feliz do clube que tem por escudo uma invenção de Deus.

Estrela solitária.

O torcedor do Botafogo tem um coração repleto de memoráveis cintilações: convivem, na mesma estrela, craques que não só nos orgulharam, botafoguenses, mas toda a nação brasileira, de Heleno de Freitas à Túlio Maravilha, passando por outros tantos, como Garrincha, Didi, Quarentinha, Maurício, etc, etc…

Da cozinha de casa naquela noite de 1989 até os dias de hoje foram muitas as lágrimas, tanto de desespero quanto de fulgor. O Botafogo tem o dom de me levar do inferno ao paraíso, e vice-versa. Ele é como eu: é preto no branco, é 8 ou 80. Somos assim, ou é agonia ou é êxtase.

O Botafogo sou eu mesmo, sim senhor!

Do livro “A ginga e o Jogo” Objetiva, 2003, pág. 117, de onde extraímos o texto acima.

O PT NACIONAL ESTÁ DE OLHO NO MARANHÃO: Olho vivo e faro fino!


É visível que os acontecimentos políticos recentes no Maranhão, estão sendo monitorados de perto pelos próceres do PT. A vinda ao Maranhão de José Eduardo Dutra, Presidente da Legenda e essa mensagem do Zé Dirceu falam por si mesmas.

Transcrevo aqui, texto publicado em 30-Mar-2010, no Blog do José Dirceu.


PT alia-se ao PC do B contra Roseana
Em seu encontro estadual e numa decisão apertada...

Em seu encontro estadual e numa decisão apertada - dois votos de diferença - o PT do Maranhão optou por apoiar o deputado Flávio Dino (PC do B) para governador do Estado numa aliança com os socialistas que tem o ex-governador José Reinaldo (PSB) como candidato ao Senado.

A coligação poderá vir a ter, ainda, o apoio do ex-governador Jackson Lago (PDT) - cassado pela justiça eleitoral - se este decidir não sair candidato ao governo maranhense com apoio do PSDB. O apoio de Lago é uma hipótese remota já que em entrevista ao Jornal Pequeno, de São Luís, ele parece caminhar para ser candidato novamente ao Palácio dos Leões por uma aliança PSDB-PDT, apesar da oposição que enfrentará da direção nacional do pedetista que já declarou apoio à candidatura Dilma Rousseff.

O PT deverá indicar o candidato ao Senado na chapa do PC do B, mas terá que conviver com Zé Reinaldo, do PSB, um provável apoiador do candidato da oposição à presidência da República, José Serra (PSDB-DEM-PPS). Em seu blog Zé Reinaldo já vem adotando uma posição abertamente antipetista e anti-Lula.

A questão do Maranhão tem implicações nacionais já que o encontro não apoiou a proposta de aliança com o PMDB e o apoio a Roseana Sarney, mesmo integrando seu atual governo, participação apoiada pela direção petista maranhense eleita em setembro de 2009.

No encontro estadual nesse final de semana, a regional defendeu a coligação com Roseana para a eleição desse ano e foi derrotada. Essa decisão do PT do Maranhão, na prática contraria as resoluções do 4º Congresso Nacional do partido, de priorizar a aliança com o PMDB e o palanque nacional de Dilma.

segunda-feira, 29 de março de 2010

ARMANDO NOGUEIRA MORREU. O VEJO VIVO COMO O FUTEBOL BRASILEIRO!!!


Transcrevo do blog do Juca Kfouri....

Armando Nogueira morreu.

A última vez em que conseguimos nos comunicar, porque por telefone era sempre uma choradeira, foi por meio de uma mensagem que ele me mandou, em 10 de dezembro de 2008, exatamente às 10h38, para agradecer uma referência qualquer feita por mim num programa de TV:

“Juca Kfouri, Teu carinho me conforta como o abraço de um irmão caçula.

Beijos do Armando”.

Fico aqui com minha dor, incapaz de ser minimamente objetivo.

Tenho por ele infinito carinho mesmo e sei o quanto ele penou para dirigir o jornal mais visto no país no período da ditadura.

Leal, ele agiu sempre no limite da dignidade possível.

E tratou de proteger o quanto pôde aqueles que eram perseguidos.

O Brasil perde um belo jornalista.

Transcrevo comentários de Pedro Bial para a Globo News...
Comecei a ler jornal por causa dos textos do Armando Nogueira, diz Pedro Bial

Em declarações dadas à Globo News, o jornalista Pedro Bial afirmou que Armando Nogueira foi um exemplo seguido no jornalismo por toda uma geração. "Eu e talvez toda a minha geração... nós simplesmente não existiríamos se não fosse Armando Nogueira. Eu comecei a ler jornal por causa dos textos dele", disse Bial.

Nogueira morreu hoje, aos 83 anos, em sua casa no Rio. Ele lutava contra um câncer no cérebro desde 2007.

"O destino ainda me reservou a chance de ter ele como meu primeiro chefe. É como se eu tivesse perdido um pai", disse Bial, emocionado.

Sobre os textos esportivos de Nogueira, Bial afirmou que o jornalista era a "prova atuante de que você pode fazer jornalismo de qualidade e também usar a língua portuguesa com seus melhores recursos e as mais belas palavras".

"Ele conseguia ver, além do jogo de futebol, o drama que existia além dos números do placar. Ele cunhava expressões pequenas e absolutamente sintéticas... foi ele quem chamou o Garrincha de anjo das pernas tortas", completou Bial.

"Há de se lembrar que o Armando era um tremendo e irresistível sedutor."

Eu mesmo, Dimas bom e velho torcedor do Botafogo, sobre o nosso mais ilustre torcedor, Armando Nogueira, que hoje subiu aos céus, para junto da nossa estrela solitária:

As crônicas de Armando Nogueira sempre me impressionaram, ao meu ver fenece aquele último lorde, de elegante estilo, exímio escritor sobre as coisas do esporte, mais principalmente do futebol do nosso coração brasileiro.

Ver, aplaudir, chingar, arregalar os olhos e gritar é fácil. Difícil mesmo é dizer sobre o que todos olham, mas só poucos enxergam. Só ele sabia do modo de falar pouco, diante do muito e fantástico que um anjo em forma de homem  fazia dentro de campo.

Descrever os craques só apelando aos Deuses e anjos - eles que fazem milagres - são agora bons parceiros no lugar eterno de Armando Nogueira. E por lá, talvez ele, esteja Ar - mando alguma boa História.

Deus te abençoe Armando!!!

sábado, 27 de março de 2010

NO ENCONTRO DO PT DEU PC do B, FLÁVIO DINO GOVERNADOR


A idéia deste espaço é tratar menos de Política e principalmente de outros temas mais agradáveis, no entanto, como quase tudo deriva das decisões políticas, essa notícia é imperdível. Em casa, afogado, não sei ao certo se em um resfriado ou na boa e velha rinite alérgica, mando a novidade para a internet e ao meu ver para a História.

Neste final de tarde, começo da noite, uma decisão memorável no Encontro do PT, que deve entrar para a Histõria política do Maranhão, sufragrou uma aliança com o PC do B e a candidatura de Flávio Dino a Governador do Maranhão.

Por 87 a 85, placar apertadíssimo, os delegados ao Encontro do PT deram a vitória à tese de Flávio Dino para Governador.

Com esse resultado, é muito provável, que estejam dadas as condições para uma guinada sem precedentes no espectro político para as eleições de 2010. O PT sai dividido. Porém, em termos simbólicos, formais e materiais Flávio Dino firma sua trajetória de vencedor.

sexta-feira, 26 de março de 2010

POR UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUL DO MARANHÃO

Considero um despautério que no Maranhão só tenhamos uma Universidade Pública Estadual, pelo tamanho do Estado e sua incrível diversidade geográfica e cultural de há muito poderíamos ter seguido algumas experiências bem sucedidas no restante do país.

Cabe destacar o caso de São Paulo que possui a USP – Universidade de São Paulo, UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas e UNESP Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Logo os críticos de plantão, poderiam alegar que pela pujança econômica do Estado de São Paulo comparar realidades tão díspares seria inconveniente. Pois bem, mas, na Bahia a bem sucedida descentralização da produção do saber se concretiza com a existência das seguintes Universidades Estaduais: i) UESB – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; ii) UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz; iii) UNEB – Universidade do Estado da Bahia; e, iv) UEFS – Universidade Estadual de Feira de Santana. Outro exemplo é o Ceará, onde convivem as: i) UECE – Universidade Estadual do Ceará; UVA - Universidade Estadual do Vale do Acaraú; URCA – Universidade Regional do Cariri; e, CENTEC – Instituto Centro de Ensino Tecnológico do Ceará. Para concluir esse brevíssimo inventário, deve ser mencionado o prestigioso sistema estadual do Paraná que conta com pelo menos 10 (dez) Instituições de Ensino Superior, das quais destaco a UEL – Universidade Estadual de Londrina, a UEM – Universidade Estadual de Maringá e a UEPG – Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Seguindo estas mesmas pegadas, resgato aqui uma antiga idéia, anseio de professores, estudantes, educadores, empresários e da classe política do Sul do Maranhão. A implantação da UNIVAT – Universidade Estadual do Vale do Tocantins, com abrangência que vai de Açailândia, Imperatriz, Grajaú, Balsas e as cidades circunjacentes. Que sejam ofertados concomitantemente à criação da nova Universidade cursos de impacto para a região tais como: Medicina e demais cursos na área de saúde, Engenharias com atenção para área Ambiental, Florestal e Civil e Tecnologia da Informação.

A mim me parece inadmissível que os cursos de Medicina Veterinária e Agronomia, por exemplo, estejam insulados na capital e não estejam presentes no corredor produtivo do agronegócio maranhense. A UEMA com todas as vênias possíveis não tem musculatura, nem sensibilidade, para estar presente e com raízes profundamente fincadas, de modo eficaz na Região Tocantina.

Sempre haverá um aloprado, que nunca provou da água do Tocantins, para dizer que não há verba, que não existe previsão orçamentária. Eis-nos, neste caso, diante de uma questão de vontade política. Instrumentos jurídicos existem para sua realização, basta manejá-los com inteligência.

A presente tese que ora defendo e ponho à baila para o debate, pode ganhar corpo com a realização de audiências públicas nas cidades pólo de abrangência da UNIVAT e em São Luís, capital do Estado. Vislumbro que são grandes as probabilidades de que a iniciativa privada ingresse como um grande parceiro neste novo projeto, principalmente empresas de porte como: CVRD, Aciaria de Açailândia, Indústria Suzano de papel e celulose, Hidrelétrica de Estreito e os Grupos Matheus, Liliani, Café Viana, AGROSERRA, MAITY, dentre outros.

Por óbvio, muito mais coisas poderiam aqui ser ditas, mas, para concluir, arrisco em afirmar que não há maior perversidade contra um povo, que o incentivo a exportação de seus cérebros, das inteligências dos filhos da terra, que se bem preparados em uma boa Universidade de sua região, estariam aptos a pensarem os problemas e desafios de sua cidade e assim encontrar as soluções, as saídas que os forasteiros não conseguem achar. Todo o Sul do Maranhão não vai mais enviar seus filhos, com altos custos para: Brasília, Belém, Goiânia, Palmas, Anápolis e sabe-se mais lá por onde. E desse modo, simplesmente perdê-los para o mundo. Esse é um sonho possível. Basta querermos e nós assim desejamos.

terça-feira, 23 de março de 2010

'NÃO É IMPOSSÍVEL IMAGINAR QUE A DILMA GANHE NO 1º TURNO', DIZ DIRETOR DO VOX POPULI

Deu no ESTADÃO, O Jornal “O Estado de São Paulo” tido como um dos veículos de notícia mais tradicionais e conservadores do país, na sua edição de hoje, já reconhece a arrancada da ainda Ministra Dilma, como futura Presidenta do Brasil.

22 de março de 2010, às 22h 56 - Leia a notícia:

SÃO PAULO - O crescimento nas pesquisas eleitorais da pré-candidata do PT à Presidência, ministra Dilma Rousseff, ante a estagnação de seu provável adversário, o governador de São Paulo José Serra (PSDB) tem impressionado os diretores dos quatro principais institutos de pesquisa do País. Márcia Cavallari, do Ibope, João Francisco Meira, do Vox Populi, Mauro Paulino, do Datafolha e Ricardo Guedes, do Sensus, estiveram reunidos em São Paulo na tarde desta segunda-feira, 22, para debater o cenário eleitoral, em evento da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisas. O professor Marcus Figueiredo, do Iuperj também esteve no debate, mediado mediado pela jornalista Cristiana Lôbo.

Meira deu o palpite mais ousado da tarde: "não é impossível imaginar que a Dilma ganhe a eleição já no primeiro turno", afirmou. Segundo ele, quando há candidatos carismáticos, a disputa se concentra mais entre as personalidades desses candidatos. Mas, para ele, nem Dilma nem Serra são carismáticos. ‘Carisma não é o nome dessa eleição’, afirmou.

Ele listou alguns fatores que, na sua avaliação, devem decidir a disputa eleitoral. O primeiro seria a economia: se estiver ruim, a tendência é de mudança - mas a economia é o principal trunfo do governo Lula. Em segundo, o aspecto ideológico - nesse caso, diz ele, 56% das pessoas se definem como sendo de esquerda e 30% como eleitores do PT.

Além disso, ele lembra o tempo de TV como decisivo - e a construção das alianças deve garantir um tempo maior à candidata governista. Por último ele cita algum acidente, debate ou fato inesperado que possa alterar a opinião dos eleitores.

Sua avaliação é parecida com a de Ricardo Guedes, do Sensus. Segundo ele, "Dilma tem produto para mostrar, a economia. O Serra não tem. Hoje a tendência é muito mais pró-Dilma".

Cautela

Já Márcia Cavallari, do Ibope, e Mauro Paulino, do Datafolha, adotaram um pouco mais de cautela em suas exposições, embora tenham admitido cenário favorável à Dilma. Os dois usaram a mesma expressão para definir o caso: "pesquisa é diagnóstico, não prognóstico".

"O comportamento do eleitor não é matemático. A campanha ainda tem muita coisa para acontecer. O que a gente sabe é que o eleitor se sente muito confortável de ter votado no Lula e agora fazer essa avaliação de que acertou. Ele pensa: 'Acertei, e o País está tendo avanços'. O eleitor considera que os avanços foram muito mais profundos no governo Lula. A comparação com o governo FHC é prejudicial para o Serra", afirmou a diretora do Ibope.

De acordo com Márcia, um terço está com Serra, um terço está com Dilma e um terço que vai decidir a eleição. Reservadamente, porém, ela destacou que não só a Dilma está crescendo, como há tendência de queda de Serra, ainda que dentro da margem de erro.

Já Paulino lembrou que na pesquisa Datafolha de dezembro de 2009, 15% dos eleitores não sabiam que a Dilma era a candidata do Lula, mas queriam votar na candidata do Lula. "E o que nós observamos em fevereiro, é que ainda há margem de crescimento para Dilma", afirmou.

Segundo ele, a dúvida é saber se Dilma vai transmitir ao eleitorado que tem a mesma capacidade de administração que o Lula tem."O eleitor vai poder comparar Serra com Dilma, Dilma com Lula".

Paulino ainda defendeu que os institutos divulguem sempre sua base de dados, sua metodologia. "A pesquisa não faz prognóstico, mostra o que acontece naquele dia. Na pesquisa de véspera, [Paulo] Maluf ainda estava na frente da [Luíza] Erundina [na eleição para a prefeitura de São Paulo, em 1988, vencida por Erundina]. Deixar de iludir quem consome pesquisa: a gente faz diagnóstico", afirmou.

Já o professor Marcus Figueiredo, do Instituto Universitário do Rio de Janeiro (Iuperj), também presente ao debate, previu um repeteco de 2002, caso o deputado federal Ciro Gomes (PSB) continue na disputa, com o cearense brigando com Serra. Para Figueiredo, "Serra e Dilma são igualmente antipáticos e igualmente feios. Ideologicamente estão muito próximos. O projeto deverá ser exatamente o mesmo".

Erros em pesquisa

Meira foi questionado também pelo fato de o Vox Populi ter apontado, em 2006, vitória de Paulo Souto (então PFL) no primeiro turno, contra o petista Jaques Wagner, que acabou vencendo as eleições em segundo turno. "Às vezes você erra. Só que você nunca ouve um médico dizendo qual a margem de erro de uma operação de apendicite. O pessoal respondia que queria Paulo Souto, mas já estava pensando em mudar de ideia. Mas eu não estava perguntando para ele se ele queria mudar de ideia", justificou.

O PT ESTÁ DEFINIDO NO DISTRITO FEDERAL




Agnelo vence prévias com 56 % da preferência dos militantes




O ex-ministro do Esporte, quando integrava as filieras do PC do B, Agnelo Queiroz venceu as prévias do Partido dos Trabalhadores do Distrito Federal e foi eleito pré-candidato da legenda ao cargo de Governador. Agnelo recebeu 4.667 votos (56,62% votos válidos). O deputado federal Geraldo Magela conquistou 3.576 votos (43,38%). Participaram da eleição, realizada neste domingo (21), 8.355 militantes. A apuração foi finalizada por volta das 19h50 e foi acompanhada por integrantes das duas candidaturas, além de técnicos do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do DF.


Pouco antes do término da apuração, os pré-candidatos comentaram o resultado. “A nossa unidade é o principal instrumento para ganharmos o governo do Distrito Federal”, afirmou Agnelo. “A nossa disputa terminou agora, esse é um projeto do Partido dos Trabalhadores do Distrito Federal”, completou.


Antes de Agnelo discursar, Magela agradeceu as correntes que o apoiaram e fez um apelo para militância. “Faço um apelo para que todos que me apoiaram nas prévias passem a apoiar o companheiro Agnelo Queiroz, nossa disputa acabou agora”, ressaltou. A votação ocorreu em 20 localidades, das 9h às 17h. Foram registrados 91 votos nulos e 21 brancos.


Transparência


O presidente do PT-DF, Roberto Policarpo, enalteceu a transparência das eleições. De forma pioneira, a votação foi feita por meio de urnas eletrônicas. Ele também comentou a rapidez com que as prévias foram realizadas e a participação dos filiados. “Trabalhamos o tempo todo para que fosse um resultado limpo, democrático e inquestionável”, finalizou.



sexta-feira, 19 de março de 2010

A DISPUTA NO PT

 Estamos próximos da decisão dos 175 delegados no Encontro Estadual do PT. Existem duas teses inscritas. Uma, prioriza a relação com a esquerda; a outra, com o PMDB. Respeitamos todos os argumentos que estão sendo expostos no debate interno do PT. Como já disse, defendemos o direito de os petistas deliberarem com autonomia, sem pressões de quaisquer naturezas.


Tenho apenas uma ponderação. Não concordo com o discurso de que o apoio do PT ao PCdoB "ameaça o projeto nacional". Apoio Lula desde 1989. Integro o único partido que sempre foi aliado do PT. Somos parceiros de luta social. Resistimos bravamente à tentativa de cassar Lula, em 2005, quando alguns vacilavam ou se escondiam. Estou no Congresso há três anos, sustentando as posições do Governo, muitas vezes em condições adversas, sem pedir nada em troca, sem nenhuma barganha.


Dilma esteve em nosso palanque na Praça Deodoro, na eleição municipal de 2008. PT e PCdoB juntos !! Fizemos um belíssimo comício, com sabor de vitória e ousadia. Lula esteve no nosso "palanque eletrônico", no 1º e no 2º turno. Ambos têm imenso respeito pelos 45% que obtivemos nas urnas da nossa capital, PT e PCdoB unidos.


Palanques duplos para Dilma existirão em todo o país. O Maranhão não é exceção nesse contexto.


Logo, onde reside a ameaça ao projeto nacional ??


Os companheiros e companheiras do PT decidirão o que acharem melhor para o Maranhão. Vamos aguardar. Estou otimista. Aqui na Câmara, inclusive na bancada do PT, ganhamos com uma imensa maioria. Deputados de todas as correntes e tendências petistas me abraçam, dizem para não desistir, seguir firme e vencer. Sou muito grato a eles. A torcida é grande, o que amplia a nossa responsabilidade. Resta a decisão definitiva, dia 27, pelos delegados do PT no Maranhão.


Tenho confiança na história, na altivez, na coragem e na independência da militância e da direção do PT. Vamos construir a unidade do PT do Maranhão. A eleição de 2010 começa a se decidir no dia 27 de março. Vamos à luta e à vitória. Décadas de lutas populares, de sonhos e esperanças, valem mais do que todas as máquinas.

Reproduzo aqui texto do Deputado Flávio Dino com Data de: Quinta-feira, 18 de Março de 2010.
 
Trava-se uma luta sem quartéis, uma luta de trincheiras feita no corpo a corpo, é desta forma, portanto, e não de outra, que o PT vai se decidir no dia 27 de março, porque se não fosse assim, não seria esse bom e velho PT do Maranhão.

segunda-feira, 15 de março de 2010

MESTRADO E DOUTORADO NA REGIÃO TOCANTINA: UM DESAFIO POSSÍVEL.

Um número expressivo de professores da Região Tocantina anseia em melhorar sua qualificação e carreira acadêmica com a obtenção dos títulos de mestre e doutor. No entanto, não há nas proximidades sequer um curso regular, qualquer que seja a área científica. É um campo, que, onde, na verdade, existe muita malandragem, propaganda enganosa e atos de desonestidade.

As formas mais sérias e corretas, são aquelas que recebem a homologação da CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, organismo do MEC – Ministério da Educação que avalia todos os Programas de Pós-Graduação no Brasil, conferindo notas que vão até o máximo de 7 (sete). É de bom alvitre referir que Programas só com Mestrado ou de cunho Interinstitucional a nota máxima atribuível é de 5 (cinco).

Os Projetos de Dinter - Doutorado Interinstitucional e de Minter - Mestrado Interinstitucional, visam permitir a formação de um grupo ou turma especial de alunos de doutorado ou de mestrado, por curso de pós-graduação reconhecido pelo MEC e já consolidado, sob condições diferentes daquelas previstas na proposta avaliada pela CAPES, e que, fundamentou o parecer de reconhecimento do curso pelo CNE.

Essas "condições especiais" se referem ao fato de parte das atividades de ensino e pesquisa do curso ser desenvolvidas no campus de outra instituição que não aquela a que ele se vincula. Esse tipo de iniciativa permite a utilização da competência de programas de pós-graduação já consolidados para, com base em formas bem estruturadas de parceria ou cooperação interinstitucional, viabilizar a formação de doutores ou de mestres fora dos grandes centros educacionais.

Pois bem, em um esforço conjunto da UEMA, IFMA (antigo CEFET), UFMA, UNISULMA e do Dep. Federal Dr. Bene Camacho, caminha em avançadas tratativas um MINTER com a UNB na área de Educação, para 25 professores que residam e atuem profissionalmente na Região Tocantina e que se submetam ao processo de seleção da IES – Instituição de Ensino Superior promotora. É bom destacar que a UFPA e UNISULMA, para área do Direito, poderão oferecer um MINTER com área de concentração em Direito Público ainda este ano, outra boa notícia não só para professores, como para operadores jurídicos que atuam na Região Tocantina.

A implantação do Projeto Dinter ou Minter exige a prévia aprovação pela CAPES da proposta a ele correspondente, uma vez que se constitui na oferta de curso de mestrado ou de doutorado sob condições diferentes das previstas na proposta inicial aprovada pela CAPES e que fundamentou o ato de reconhecimento oficial, pelo MEC/CNE (Resolução CES/CNE 01/2001), do curso a ser oferecido. A aprovação do Projeto Dinter ou Minter pela CAPES expressa o reconhecimento de que as atividades a ele referentes atendem aos requisitos de qualidade do curso legalmente oferecido na sede do programa e se integram àquelas a ele correspondentes.

No nosso caso fica claro que a UNB e UFPA são boas parceiras como IES’s promotoras, e um pool de Faculdades locais podem fazer um bom arranjo institucional ora como receptora, ora como Instituição Associada, por isso é bom entender que: i) Instituição Promotora: é a responsável pela promoção e coordenação acadêmica do curso oferecido. Sua participação efetiva-se pelo programa de pós-graduação, identificado como programa promotor, que irá ministrar o curso e tem sobre essa iniciativa os mesmos compromissos e responsabilidades que em relação ao curso oferecido em sua sede; ii) Instituição Receptora: é a instituição em cujo estabelecimento é promovido o curso, sendo responsável pelo oferecimento da infra-estrutura e de outras formas de apoio requeridas para as atividades programadas de ensino, pesquisa e orientação, conforme previsto por este instrumento; e, iii) Instituição Associada: é aquela que, não sendo a receptora, também participa da iniciativa na condição de beneficiária. Uma proposta pode ou não apresentar instituições associadas.

Esta tarefa não é pequena, e está a exigir de todos nós, união e inteligência, é hora assim, de abandonar os discursos e arregaçar as mangas.